Colorado do Brás

Grupo: Acesso
Fundação: 19 10 1975
Cores: Vermelho e Branco
Presidente: Antonio Carlos (Ka)
Carnavalesco: Leonardo Catta Preta
Interprete: Chitão Martins
Mestre de bateria: Bola e Allan Meira
Diretor de carnaval: Jairo Roizen
Diretor de harmonia: Diego Zulão e Ulisses Ozzetti
Mestre sala: Ruhanan Pontes
Porta bandeira: Ana Paula Sgarbi
Rainha de bateria: Natália Castor Nascimento
Endereco: Rua Olarias 283 - Canindé
Telefone: (11) 9-8926-3226 - ID: 101*232598
Comissão de Frente: Kelson Barros
Ano do enredo: 2017
Título do enredo: "Luz,Camera...Ação:Colorado apresenta a Roliúde do Sertão"
Descrição do enredo:

Sinopse

Severino nasceu em 1911, em meio ao sertão escaldante, em um dia de eclipse, que fez aquela terra toda se assustar, fazendo muita gente confessar seus pecados e pedir para seus anjos da guarda proteção com medo de um fim do mundo! O sol era mais perto naquele pedaço de chão, parecia que ele lambia a terra ardente. Terra que sempre louvou a figura do seu maior herói: Lampião na terra era como Deus no céu. A figura do valente e batalhador sempre foi muito forte por aquelas bandas.

Severino se tornou "Bibiu". Sonhava com a vida no circo e por isso virou artista. Com muito treinamento, aprendeu a lidar com o público. E foi assim que se preparou para sua missão de vida - ir de praça em praça, contando os filmes que via no cinema para o povo pobre que não podia pagar o valor dos ingressos. A tática era simples: começava a explicar a história, atraindo os passantes. Na parte mais importante, no clímax, ele parava a história e pedia para o público dar uma "contribuição". Bibiu traduz o encantamento do povo com o cinema. Aqueles letreiros luminosos chamavam muita sua atenção. Os pipoqueiros que ficavam na porta eram o começo da sua alegria. Os lanterninhas, que tomavam conta para que não houvesse bagunça durante as sessões, sempre foram citados em suas histórias.

E das telas, ele levava as histórias para o povo. O quixotesco e simpático rapaz sai pelas cidades do interior - Caruaru, Bezerros, Limoeiro, Afogados da Ingazeira, Garanhuns... - contando os grandes filmes que marcaram a história da sétima arte. Com um sotaque inteiramente interiorano e muita bossa.

Histórias de cabras da peste. De grandes amores. Aventuras de capa e espada. Bibiu trazia para o povo tudo que ocorria depois que o "leão" rugia. E as praças se tornavam "cinemas falados". Um de seus atores favoritos, Chaplin, na voz de Bibiu, era um mudo muito engraçado, com seu chapéu de sertanejo e uma bengala feita com um galho de arvore. "Carlitos é um caboclo liso, pobre de Jó... Cagado e cuspido um flagelado da seca", ele conta.

E aí vem a sucessão de filmes - O Garoto, O Grande Ditador. Cada um sendo encenado no cenário do Nordeste, bem do jeito que Bibiu fazia.

Bibiu encenou também as epopeias bíblicas! Moisés atravessando o mar, no meio do sertão? Para ele, era possível!

Sansão, de Sansão e Dalila, querendo derrubar as pilastras: "o plano dele era aproveitar aquela chance pra resolver a parada", descrevia Bibiu em relação a famosa cena em que o personagem derrubou as colunas que seguravam o templo e tudo caiu.

Guerras, amores, batalhas...e tudo ali, no meio do sertão!

Muitas aventuras, Bibiu contou. Eletrizou o público com os faroestes e filmes de "coubói", com mocinhas e vilões em grandes aventuras.

Falou do Tarzan com se ele morasse no Agreste e ao invés da Macaca Jane, ele tinha uma cabra como fiel escudeira.

E o King Kong, como se em vez de arranha-céus, fosse um macaco no meio do sertão, pulando entre cactos e casebres de taipa.

Contou até filmes brasileiros, como o Aviso aos Navegantes de Oscarito e Grande Otelo. Ao invés de um luxuoso navio, os navegantes viajavam em um barco bem pobrinho.

Exaltou também a brasilidade, a cara das comédias brasileiras da Atlântida.

Foi contando estas histórias que Bibiu encantou muitos e levou alegria a todos. Viajou, se aventurou...Mas assim como todo desbravador, ele também não foi imortal...Um dia, ele parou de contar suas histórias. Simplesmente saiu de cena, mas saiu no auge, como todo o grande artista.

Houve quem pensou que ele tivesse morrido. Que nada. Bibiu estará para sempre eternizado na memória de todos que o viram.

Bibiu virou até história de cordel.

"Bibiu deitou numa nuvem

Co' uma estrela por candeeiro

Agradeceu aos amigos

Se despediu do porteiro

Mandou lembranças pra gente

Pelo pássaro condoreiro

Hoje termino a história

O que conto está na cena

Mestre Bibiu tá feliz

E vive sem ter problema

Rei dos anjos e das virgens

O final é de cinema"

Ele ainda deve estar por lá, no céu, contando suas histórias...E agora, ele vai ter mais uma história para contar - vai dizer que um dia uma escola de samba desfilou contando sua trajetória, virou enredo do Carnaval!

Bibiu, nós iremos fazer aquilo que você sempre fez: vamos encantar!

Obrigado, Severino. Viva na eternidade!

 
Ano do enredo: 2015
Título do enredo: "Maktub -Estória de mil e uma histórias"
 
Ano do enredo: 2014
Título do enredo: De onde vem a alegria dessa gente?
Descrição do enredo:

 

INTRODUÇÃO
 

A Colorado do Brás vive um momento glorioso, em meio às lutas vencemos a loucura e o medo da retomada, sonhamos com um novo dia e trabalhamos para que esse novo dia acontecesse...

Para celebrá-lo depois de muita luta chega o momento de festejar e por isso no carnaval 2014 vamos celebrar as festas do povo brasileiro de um jeito diferente, vamos nos vestir de ‘viajante’ e procurar respostas para as diversas perguntas que a mente nos faz...

Num país onde há tantas desigualdades, vemos no rosto de cada pessoa um sorriso inigualável.

Como um povo que sofre e que vive em meio à miséria, a dor e as decepções traz no rosto a alegria de viver?

São essas as questões que vamos responder nessa passarela de emoção, se encante e descubra junto com o viajante Colorado de onde vem a alegria dessa gente que em todo canto, dança, festeja sem desanimar.

DESENVOLVIMENTO

De onde vem tanta alegria?

De onde vem o sorriso no rosto dessa gente...?

Sou um jovem viajante, me chamo Colorado e em meio as minhas andanças me perco nos pensamentos, sou uma criança a brincar com os elementos que me faz sonhar e a descobrir a riqueza desse país...

Em minhas peripécias me ponho a desbravar para entender como e porque o povo brasileiro que sofre tanto esta sempre a sorrir, a se divertir...

Nessa pátria mãe querida, terra gigante chamada Brasil, encontro um lugar de todos os povos e que nos acolhe de braços abertos, terra de um povo lutador e é esse povo que vai responder a todas as minhas questões...

Sou um menino sonhador, seguindo a estrela que me leva a viajar, pois são tantos lugares diferentes, tantas tradições distintas, danças, festas, ritos, uma ‘mistura de cultura’ que vamos começar a conhecer...

E nessa Terra Abençoada, o verde, o amarelo, o branco e o azul anil refletem em nossa esplendorosa bandeira, o céu cravejado de estrelas representa cada estado dessa imensa nação que tem em seu seio uma essência igual em todos os estados, que é a essência de festejar!

Logo, vejo os guardiões da pátria amada nos guiando para toda parte desse gigante varonil, defendendo nossa bandeira em um mistério fascinante, nos levando a descobrir sua grandiosa magnitude...

Todos sejam bem vindos ao país da alegria, o Brasil da diversidade, do sorriso inocente do teu povo, de todas as raças, da explosão cultural... Terra das festas e do alto astral.....

Um Mosaico Verde e amarelo, com a cara do povo brasileiro, de todas as manifestações num só esplendor, num só cenário...

 “Brasil, um sonho intenso, um raio vívido,
De amor e de esperança à terra desce,
Se em teu formoso céu, risonho e límpido,
A imagem do Cruzeiro resplandece...

Gigante pela própria natureza,
És belo, és forte, impávido colosso,
E o teu futuro espelha essa grandeza”

E nesse desbravar te pergunto, por onde vou começar?...

Viajando céu a dentro começo minha viagem nos campos do Sul do Brasil, ponto de partida dessa magia...

Nos Pampas descubro na cultura e na dança a tradição dos gaúchos, resgatando laços e traços de uma epopéia centenária do povo do Rio Grande, é a magnífica Semana de Farroupilha que encanta a todos que tem orgulho gaúcho, mas a festa continua...

Encontro uma linda festividade em celebração à dádiva da terra, degusto com requinte e paladar na fantástica Festa da Uva, vinhos e sucos vindos de vários campos para fazer parte dessa festa, que tem origem italiana e é uma tradição...

Pegando carona nessa deliciosa combinação, termino minha rota do Sul na festa da cerveja, que atrai turistas de toda parte e seduz quem visita anualmente a “Oktoberfest”, vinda da Alemanha para o Brasil...

São traços da Europa em terras verde e amarela.

Mas eu quero mais... Quero entender o porquê de tanta alegria...

E na magia do Pantanal começo a esboçar o sorriso quando vejo o canto da natureza na festa do Pantanal mantendo a raiz e a diversidade cultural do povo pantaneiro.

Mais ao centro do Brasil também encontro na Cavalhada, da Festa do Divino, devoção e fé, pois é uma mágica celebração, vinda de Portugal, é herança que ficou de quem nos colonizou, os personagens principais são os cavaleiros, vestidos de azul representando os cristãos e os de vermelho que representam os mouros...

No norte do país encontro o resplandecer da Mãe gentil, as bênçãos de mãe da Nossa Senhora de Nazaré é o que move os romeiros, o Círio de Nazaré, festa tradicional que traz para Belém do Pará, inúmeros devotos.

Essa festa vem sendo considerada a maior manifestação religiosa do Planeta, pois consegue congregar dois milhões de pessoas em uma só manhã, a devoção á Mãe Senhora é o mote dessa celebração.

No estado do lado a festa continua, pois os verdadeiros donos da terra não se deixaram abalar e em Parintins ainda se vê no ecoar da floresta vestígios de felicidade, os bumbas que dividem uma cidade, conquistam um país, seja você Garantido ou Caprichoso não importa... O que importa é festejar com as toadas e danças na festa da floresta, um festival a encantar!

A viagem não para e sabendo da força do povo nordestino, viajo terra a dentro, de sol a sol e descubro em cada canto dessa região motivos para não desistir de lutar...

Em São Luís do Maranhão, o Bumba meu boi é fascínio que não acaba, é festa que se espalha por toda região, assim como o Maracatu que é folclore popular, uma mistura das culturas indígena, africana e européia vinda da Europa em meados do século XVIII movimentando o nordeste do Brasil.

Nas ruas de Olinda sou levado pelo passo do Frevo, uma tradição mantida através do tempo, de sombrinha e roupa colorida, essa festa que é o retrato do povo, que mesmo sofrendo não deixa a alegria se esgotar.

Tem Festa Junina tradicional em Campina Grande, balões pelo ar e as bandeirolas em noite de luar, acompanhado do Forró arretado e ao som do Xaxado, esses ritmos embalam a festa junina até o dia clarear.

E nas ruas de São Salvador me encontro extasiado, com a fé e a reverencia do povo baiano na Lavagem do Bonfim....

O Nordeste é realmente uma região alegre por natureza, todas as festas se reúnem em uma só região do Brasil, uma região de gente sofrida, mas que não para de festejar, o mesmo povo que dança a festa junina tradicional ao som do arrasta pé, vive a magia do bumba meu boi... E desce a ladeira do Pelourinho no swing do Olodum, tudo é festa pra esse povo vencedor...

Mas o Brasil é grande e ainda tenho muito que conhecer...

Antes de chegar ao meu destino final passando pelas Minas Gerais em suas ruas históricas encontro a resistência do Congado, os grupos de Congo saem às ruas vestidos a caráter para festejar e relembrar a luta dos negros pela liberdade, salve a luta do povo!

“Ô de casa... Quem vem ai?”...

É a Festa de Reis que acaba de me seduzir, as vielas se enfeitam e os trovadores  passam pelas ruas cantando a viagem dos Três Reis Magos à Belém para o nascimento de Jesus Cristo

“Oh! Minas Gerais de tantas festas tradicionais... Quem te conhece não te esquece jamais!”

Rodando por cada canto dessa região Sudeste, chego ao estado de São Paulo e num simples cantar sertanejo ouço o som que ecoa em rodeios e vaquejadas tradicionais, que crescem ano após ano em várias cidades do Interior e tem em Barretos o ápice da festa...

Navegando nas águas do Tietê chego a Pirapora do Bom Jesus e ouço cantigas e serestas e consigo ver no olhar simples do caipira a origem do nosso samba, de lá nasceu nos batuques de rua o samba de raiz do paulista.

Chegando enfim no Rio de Janeiro, visitando cada canto que respira o samba começo a ter a resposta que tanto eu queria, o rio é de bambas, da malandragem e das rodas de samba nos arcos da Lapa, da bossa nova com vista para o Pão de Açúcar....

E no swing da “nega maluca”, a mulata brasileira descubro o balanço e o gingado da festa de todas as festas, que é o carnaval, que fascina e proporciona para todos os brasileiros um sentimento de imensa felicidade.

O Rio de Janeiro e São Paulo têm algo em comum, que são as grandes escolas de samba que fazem do carnaval o maior espetáculo da Terra, pois é mágico o carnaval!

Ele é a coroação do povo que se liberta de tudo pra poder festejar, dançar, cantar, enfim se esbaldar em busca de um só ideal, que é ser feliz!

Não esta nas festas a alegria do brasileiro e sim na sua natureza pura e verdadeira, descobri em cada olhar o que o brasileiro tem de mais genuíno que é o amor e o orgulho por esse país...

Agora entendo o motivo para o povo brasileiro ir às ruas e ser feliz, mesmo com tantos problemas ele se orgulha das suas cores, da sua cultura, da sua gente e do seu jeito de ser e por isso vive festejando...

E é daí que vêm à alegria dessa gente, que traz no peito o orgulho de ser Brasil, de vestir suas cores...

Com muito prazer, agora eu entendi!

E digo pro mundo também entender que, pra ser feliz no Brasil, basta ser brasileiro, que por si só canta, dança, festeja sem desanimar!

Desenvolvimento, pesquisa e criação: Danilo Dantas

 
Ano do enredo: 2010
Título do enredo: Da descoberta à chama da razão a Colorado descobre o fogo
Ano: 2017
Título do samba enredo: "Luz,Camera...Ação:Colorado apresenta a Roliúde do Sertão"
Compositores do samba enredo: Thiago Morganti, Ronny Potolski, Sukata, Igor Vianna, Michel Mammoccio, Tubino, Willian Tadeu, Luís Butti, Walter Jr, Lo Robson, André Valêncio, Diley, André Filosofia, Victor Alves e Meiners
Letra:

Ê cabra da peste
Filho de um agreste sonhador
O sol que arde não esconde a poesia...
Que dos filmes irradia em prova de amor
Do circo, as lembranças de menino
Vida de artista a buscar o seu destino
Oxente: parece história de cinema!
Quando o talento entra em cena a brilhar
É o dom de contar e encantar

Ôôôô roliude vem aí
Faz a mente delirar, a platéia aplaudir
Das telas “pro” povo vem mostrar
Um mundo novo de se admirar

Romance, humor e aventura
Epopeias pelas praças do sertão
Um faroeste com o tempero do nordeste
Pede licença pra atrair sua atenção
Pode avisar aos navegantes que é hora de partir
Vem o luar feito um cordel que lá do céu vai reluzir...
Entre as grandes estrelas, um novo astro surgiu
Um Severino: o retrato do Brasil!

Sertanejo, arretado coração
Traz a força e a bravura deste chão
E faz a festa na Colorado do Brás
É muito bom, é bom demais!

 
Ano: 2015
Título do samba enredo: "Maktub -Estória de mil e uma histórias"
Compositores do samba enredo: V. Gabriel, Minuetto, Gui Cruz, F. Segal, Portuga, Luciano, Marçal, Reinaldo e César
Letra:

Vermelho e branco é paixão
A escola do meu coração
Mil e uma noites para descrever
Colorado meu amor por você
 

Está escrito nas estrelas
O destino de um povo vencedor...
Tantas histórias vão te emocionar
Traços da cultura milenar
Apaixonante, a "nossa gente" sempre lutou...
Um grande livro se abre, revela a verdade!
O encanto de dom Pedro imperador!
Um novo tempo surgiu, "cultivando" o progresso refletiu...
Atravessando as areias do deserto, “nosso povo” se formou.
A fé não costuma falhar...
"move montanhas" sempre a nos guiar
 

Vem de la, vem de la... Eu vou contar
A beleza de um cenário singular
E "cavalgando" nesse chão, agricultura semeou...
Na medicina e na ciência despontou!
 

A força da nossa raiz deixou
Um legado na educação
Enriquece o paladar
Com musicalidade, toda forma de expressão
Na dança fascina e seduz...
Na arte conduz
A magia da literatura
Viajando aos contos da imaginação...
Mostrando ao mundo toda nossa inspiração
E aqui no “meu Brasil”
Heranças que o povo aplaudiu...

 
Ano: 2014
Título do samba enredo: De onde vem a alegria dessa gente?
Compositores do samba enredo: Vitor Gabriel, Rodrigo Minuetto, Rodolfo Minuetto e Guilherme Cruz
Letra:


Oh Pátria Mãe Gentil
Terra abençoada gigante Brasil
Sou um menino sonhador,
Seguindo as estrelas do céu eu vou
Voei... Nos campos do sul cheguei
Traços da Europa eu encontrei
No meu caminhar ouvi a natureza cantar
Festa do Divino, devoção e fé
Em romaria no Círio de Nazaré
Em Parintins um festival a encantar
Bumba meu boi, bumba é folclore popular

Me leva no passo do frevo.... Me leva
Me leva que eu vou festejar... Vou dançar
Um forró arretado ao som do xaxado
Ate o dia clarear

Bahia ... Da lavagem do Bonfim
No Olodum eu vou... Ouço o rufar do tambor
Vou descendo a ladeira do Pelô
Oh Minas Gerais, quem te conhece não te esquece jamais
Num simples cantar ouvir
Raízes da cultura paulista surgir
Meu Rio de bambas, malandros e mulatas
Das rodas de samba nos Arcos da Lapa
Descubra alegria em cada olhar

E o povo nas ruas feliz a cantar
É carnaval eu vou sambar
Sou Colorado amor verdadeiro
No peito o orgulho de ser brasileiro

 
Ano: 2010
Título do samba enredo: Da descoberta à chama da razão a Colorado descobre o fogo
Compositores do samba enredo: Pê Santana, Animal e Rafael Pínah
Letra:

O show vai começar
Irradiando alegria
Com a descoberta
Que ao mundo encantaria
Gerando a evolução
Acende a imaginação
Mitos e deuses em adorações
Marcaram civilizações
Na pré-história, o homem buscou entender
A existência do seu próprio ser
E o fogo mostra o seu poder

Acende a fogueira... Ôôô
Pra purificar... Lá laiá
De alma limpa, eu vou!
Com o meu amor

A chama da inquisição
Marcou na era das cruzadas
Em ritos de fé, a elevação
É luz que não se apaga
No desenvolvimento da indústria
Foi fundamental
Presente em nossa cultura
Na vida é essencial
Ressurge a beleza mais pura
No brilho do meu carnaval
Explode nas cores do meu pavilhão
Um sentimento de paixão

Vou dar a volta por cima
Sou Colorado do Brás
O meu calor vai te embalar
Eu quero ver você sambar

SOSAMBA.COM.BR | COPYRIGHT © 2010 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS