Império de Casa Verde

Grupo: Especial
Fundação: 27 02 1994
Cores: Azul e Branco
Presidente: Alexandre Furtado
Vice presidente: Paulo Rogerio Gonçalves Ferreira
Carnavalesco: Jorge Freitas
Interprete: Carlos Júnior
Mestre de bateria: Mestre Zoinho
Diretor de carnaval: Tiguês e Celsinho
Diretor de harmonia: Comissão de Harmonia
Mestre sala: Marlon Lamar
Porta bandeira: Jessica Gioz
Rainha de bateria: Valeska Reis
Madrinha: Lívia Andrade
Endereco: Av. Engenheiro Caetano Álvares, 2042, Casa Verde, São Paulo
Telefone: (11) 3961-4956
Comissão de Frente: André Almeida
História

A Escola de Samba Império da Casa Verde é a mais nova agremiação do Grupo Especial no Carnaval da Terra da Garoa, foi fundada em 27/02/1994

O senhor Dailson, conhecido como Caçapa, em 1993, procurou várias pessoas no bairro da Casa Verde propondo fundar uma Escola de Samba no bairro.

Após contatar vários sambistas, verificou-se a necessidade de se escolher um presidente para a agremiação. Foi então que pensou no senhor Francisco Plumari Jr., importante empresário do bairro e por intermédio do então farmacêutico, Carlos Alberto de Souza, (o Plumari), Dailson agendou a 1ª reunião para a fundação da Escola, na Associação Saldanha da Gama.

Após essa reunião, no Saldanha, as seguintes foram realizadas no Vasco da Gama, onde foi composta a diretoria. A partir daí, as reuniões seguintes foram realizadas na Rua Ouro Grosso, local cedido pelo então presidente Francisco Plumari Jr., para ser a sede social da escola e conseqüentemente foi providenciado o registro da Império, junto aos órgãos competentes.

Em 27 de fevereiro de 1994 foi oficializada e fundada a Império de Casa Verde, desfilando pela primeira vez em 1995, tendo como presidente o senhor Carlos Alberto de Souza, indicado por Plumari. Este último passou a ser o presidente de honra da entidade, retornando a ser presidente em 1999, por ocasião do falecimento do senhor Carlinhos.

A Escola em três anos conquistou títulos, tornando-se assim a coqueluche do momento. Com apenas quatro anos de história, a escola já estava desfilando ao lado das mais tradicionais escolas de samba paulistanas.

Seu maior mérito no Grupo I foi de terceira colocada no carnaval de 2000. Em 2001 contou com a inteligência do carnavalesco Cláudio Cavalcante (Cebola) para ser promovida ao Grupo Especial, mas ficou em 40 lugar. Em 2002 ficou com o vice-campeonato do Grupo de Acesso, chegando ao grupo de elite das escolas de samba de São Paulo. No Carnaval de 2003, a jovem escola vem com o enredo: "Inhô João Preto Velho Milagreiro, lá pelas bandas do cafundó", sonhando em permanecer entre as grandes do Carnaval paulistano.

Ano do enredo: 2017
Título do enredo: “Paz. O Império da nova era”
 
Ano do enredo: 2016
Título do enredo: O Império dos Mistérios
 
Ano do enredo: 2015
Título do enredo: "Sonhadores do Mundo inteiro: uni-vos"
 
Ano do enredo: 2014
Título do enredo: Sustentabilidade, construindo um mundo novo
Descrição do enredo:



Do big bang, de onde se ordenou o caos,espalhou-se bilhões de estrelas na imensidão sem fim. Dentre elas, a mais bela das obras da criação, fulgurando como íris azul nos olhos do universo,o nosso planeta, um oásis de vida a descrever sua trajetória sistemática temperada de luz e regida pelo poder de quatro elementos: água, terra, fogo e ar. Estava assim estabelecido o equilíbrio, a sustentabilidade que faz o mundo girar.

Da evolução das espécies, resplandeceu o homem, ungido pela capacidade do pensamento, o poder de criar e de decidir o presente e o futuro, de construir ou destruir, de escolher o verso e o reverso, o direito e o esquerdo,os dois lados da mesma moeda,o bem e o mal.

No caminho da construção do futuro, na busca de um mundo novo, a humanidade exibiu este duelo ao longo das eras, porém sem vencedor ou vencido, promovendo apenas a degradação do seu habitat. Hoje, sofremos as consequências e pagamos o alto preço do progresso.

O tempo não para! Ele não soma as horas a nosso favor, ao contrário, ele subtrai mais e mais as nossas chances. O mundo cresce à sombra da ganância e com ele se desfaz a esperança e aumenta a carência . O planeta agoniza e a natureza reclama seus maus tratos, devolvendo ao homem seu troco de desequilíbrio e em sua revolta, se esteriliza,transborda,se aquece,sufoca.

A luz no fim do túnel é o despertar da consciência. É preciso parar e pensar no amanhã de nossa existência, refletir e racionalizar para deixar a natureza seguir seu curso pois ela sabe se renovar, temos que nos impedir de alterar a ordem, nos redimir para recomeçar e para sermos salvos, salvar.

Temos que cuidar do mundo, que é a nossa casa, o nosso lar. Zelar pelos nossos tesouros: água ,terra, fogo e ar. Não poluir, consumir e reciclar, não destruir, não desmatar e sim, reflorir, plantar e colher consciente, ser a semente a brotar para alimentar. As pequenas ações de cada um vão refletir em bilhões a preservar, assim, vamos fazer do futuro, o presente, um presente que se quer dar.

Hoje, a Império usa a força do cantar do seu povo num grito de alerta, é correto, sensato e humano. O seu samba vem despertar a consciência dos homens e trazer um pensamento puro, de um viver melhor para construir um mundo novo, com os olhos no futuro, trazendo uma energia limpa, uma alegria ampla no sorriso branco e franco. O tigre hoje é mais que guerreiro, é o guardião que vem coroar nosso planeta azul, na esperança de alcançar a sustentável leveza do ser, para que a nossa casa seja sempre verde e para todo o sempre, viver!

Alexandre Louzada

 
Ano do enredo: 2013
Título do enredo: Pra todo mal há cura...e quem canta seus males espanta!
Descrição do enredo:


Justificativa:

"A medicina se fundamenta na natureza, a natureza é a medicina, e somente naquela devem os homens buscá-la. A natureza é o mestre do médico, já que ela é mais antiga do que ele e ela existe dentro e fora do homem..."

(Paracelso)

Desde a origem da espécie, o homem procurou remédio contra ferimentos e doenças. Vestígios do neolítico mostram que já se conheciam as propriedades curativas de agentes naturais como à luz solar, o frio, o calor e a água. Entendida como meio de cuidar da saúde, a medicina existe desde então.

As relações entre filosofia, o viver em harmonia e a medicina estão presentes em todas as culturas, bem semelhantes, aliás, em sua origem.

A Império de Casa Verde pretende levar essa mensagem em seu carnaval, viver em harmonia de corpo e alma, cuidar da saúde dentro e fora do seu próprio ser, são medidas que podem prevenir muitas doenças. Ao fazer isso, a escola se inclui como receita de bem estar, pois afinal como diz o ditado: "Quem canta seus males espanta" e sambar é transpirar todo o stress do nosso dia a dia.

Canta meu povo e encanta, na sua arte de encantar, pois: "Quem canta, seus males espanta" e das dores da vida eu te faço esquecer. Vem, que o meu samba é o remédio que cura, toda e qualquer amargura, é o elixir do prazer.

Vem, que o "IMPÉRIO" te abre as portas do pronto socorro da alegria onde o "TIGRE" é o doutor que avia, neste raiar do dia, a receita do bem viver.

Vamos juntos contar uma história antiga, que a humanidade abriga desde o seu despertar. História que nasceu mágica e empírica, na tentativa dos males cuidar.

Em tempos idos, xamãs, magos tão sabidos, buscavam então encontrar a harmonia da vida humana, a fórmula do bem estar. É veio assim da natureza, a resposta do "X" da questão, fazendo valer o conceito, a receita do equilíbrio perfeito de "Mente sã em corpo são."

E tudo isso acontece, quando a civilização de seu berço resplandece, na Mesopotâmia, terra fértil entre rios, onde de ervas e flores um jardim se ergueu. Da interpretação dos sonhos à sabedoria , nasceu o diagnóstico e a Babilônia principia o que da terra brota, ensina o nascedouro da medicina, onde a cura floresceu.

De lá pra cá, o tempo percorre, avança e da terra dos faraós, o legado, a herança de um povo que unia conhecimento e mitologia, pratica e intuição, ao auscultar o peito, ao descobrir causa e efeito, fez escola, templo da cirurgia, a salvar vidas então.

Pela ciência terrena e providência divina, tratavam o corpo e espirito, viver e morrer era uma "VENTURA" tornaram-se sacerdotes da medicina, os deuses da cura.

Mas eis que uma luz brilha no horizonte e o oriente, orienta e inspira, estuda o corpo e o espaço, a harmonia de cinco elementos, cinco órgãos, a energia a que o universo conspira e lança, nos humores vitais para a sintonia, do homem e o cosmo, a balança. Pois no desequilíbrio mora a dor, a tormenta, no yin e yang a bonança da milenar filosofia.

E assim caminhou a humanidade em sua incessante procura, por um viver bem melhor e pra todo mal uma cura, visto que todos sofrem na vida, seja qual for à dor, até mesmo de amor, saudade ou desventura.

E alternativas surgiram, na busca de uma esperança para o que der e vier aonde à imaginação alcançar, seja na fé, na firmeza, nas forças da natureza ou nos poderes além, porque o bem não vive sem o mal e há males que vem para o bem.

Chega então o nosso tempo com todo avanço da ciência e da tecnologia que nos faz refletir assim; que do inicio ao fim, a cura vem da experiência, da sã consciência, privilégio do homem, a inteligência, que desde o principio estuda os mistérios da vida e experimenta, procura e descobre, os segredos da cura, dos males e das feridas que socorre, sara e salva.

SALVE! A natureza, mãe da medicina, mestre do médico, que tudo ensina, de toda droga verde que dela emana em sua essência mais pura. VIVA! A inteligência humana, obra prima da vida, que através da medicina se aventura, na busca do melhor tratamento, o remédio perfeito, pra todo mal a cura.

Alexandre Louzada - Carnavalesco

 
Ano do enredo: 2012
Título do enredo: Na ótica do meu Império o foco é você
 
Ano do enredo: 2011
Título do enredo: Samba sabor cerveja. Admirada a milênios, a mais nova sensação nacional
 
Ano do enredo: 2010
Título do enredo: 'Itu, fidelíssima terra de gigantes'
Descrição do enredo:

IMPÉRIO DE CASA VERDE “Itu: fidelíssima terra de Gigantes” SETOR 1:   DO SUPERCONTINENTE PERDIDO GONDVANA À ERA DO GELO NO BRASIL !VARVITO, RICA FONTE DE SABEDORIA PARA A CIÊNCIA MUNDIAL !

Apesar de ser hoje um país tropical, existem evidências geológicas da ocorrência de pelo menos cinco idades glaciais no Brasil.

Uma delas, ocorrida no final da Era Paleozóica, mais ou menos entre 296 e 268 milhões de anos atrás.

Fato de extrema importância para a ciência, porque atingiu a região sudeste do Brasil.

O Supercontinente Perdido Gondvana , era formado pela América do Sul, península Arábica, África, Índia, Austrália, Nova Zelândia e Antártida, existiu durante quase toda a Era Paleozóica e começou a fragmentar-se no Período Jurássico, com a separação e migração dos continentes que o formavam.

As mudanças de posição geográfica do Gondvana , passando pelo pólo e depois gradualmente deslocando-se para o Equador, durante o tempo geológico, podem ter sido uma das causas principais das mudanças climáticas que aí ocorreram.

O fato é que o manto de gelo formado sobre o Gondvana deslocou-se da África, chegando até o sudeste do nosso país.

É a era do gelo no Brasil!

Vestígios geológicos de importância internacional encontrados em São Paulo, na cidade de Itu comprovam que a região vivenciou esse período.

Geólogos descobriram marcas, deixadas pelo atrito de um imenso bloco de gelo, nas pedreiras do Parque Varvito, que foram feitas há cerca de 350 milhões de anos.

“O Parque do Varvito foi criado tendo em vista a grande importância dessa pedreira como documentário da História Geológica do Brasil. O reconhecimento da "laje de Itu” como varvito, em 1938, deve-se a Othon H.Leonardos, geólogo do então Serviço de Fomento da Produção Mineral do Brasil”.

Vários cientistas estudaram cuidadosamente o varvito (um tipo de pedra sedimentar) e encontraram características sedimentológicas, paleontológicas, paleomagnéticas e de variação da espessura das camadas ou lâminas do varvito que comprovam semelhanças com as varves típicas do Período Pleistocênico.

Os indícios também são fósseis de animais e plantas contidos nessas pedras.

Idades do gelo já ocorreram várias vezes na história da Terra, sendo que a última terminou há cerca de 12 mil anos, quando nós, Homo sapiens, já andávamos por aí.

Imagine só, regiões imensas congeladas e constituídas por imensas geleiras.

Somente a ciência para dar luz à história.

SETOR 2: TERRA DOS KARIJÓ !EM NOME DO PAI, DO FILHO E DO ESPIRITO SANTO, NASCE OUTU GUAÇU PARA A GLÓRIA !
 
..............E por falar em história, fatos notáveis de outrora, coroaram de glórias a cidade de Itu.

Contam, que pelas águas calmas, claras e cristalinas do Anhembi– rio de principal acesso ao interior (atual rio Tietê), um grupo de jesuítas liderados por padre Manuel da Nóbrega, alcançam uma região fascinante.

Onde o verde se mostra em todos os tons.

E que crescem pelos campos, concorrendo com a paisagem verdejante, orquídeas, avencas, begônias,.................. verdadeiro deslumbre multicolorido da natureza!

Concorrem também, árvores frondosas e milenares que fornecem tinta negra para a tatuagem dos índios, e cujos ramos curvam-se para o rio e seus frutos maduros, quando caem, desperta a gula voraz dos peixes – principal alimento das Anhumas, pássaros típicos das margens do Anhembí.

O cantar da passarada desperta os Carijós, herdeiros legítimos desse chão!

Dóceis, trabalhadores e até certo ponto de fácil relacionamento, atraíram logo a atenção dos jesuítas.

Em 1553, antes mesmo da fundação de São Paulo de Piratininga, estabeleceram um aldeamento para evangelização do “bom selvagem”.

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo nascia Maniçoba.

Provável origem do futuro povoamento de Outu-Guaçu, se não fosse constante os ataques de tribos rivais, que levou a aldeia, anos mais tarde, a sucumbir.

Com a intensificação da colonização brasileira e a fundação da Vila de São Paulo de Piratininga, a história seguiria outro curso.

O paulista se aventurava rumo ao interior do país.

Navegando pelas mesmas águas, o objetivo agora é a expansão territorial do Brasil !

No caminho do ouro e da prata, é a época das Bandeiras!

Desbravando e conhecendo o vasto território à cata de índios para escravizar.

E Outu-Guaçu, a “Boca do Sertão”, passagem obrigatória rumo ao porto de Araritaguaba – ponto de partida das expedições, seria o palco de disputas sangrentas entre índios e brancos, até 1595.

Feroz crueldade contra os índios Carijós.

Manuel Fernandes Ramos, valente e destemido bandeirante, conquistou as terras dos Carijós e anos mais tarde a deu em doação a seu filho, o também bandeirante Domingos Fernandes que com sua familia fundou em 1602 um pequeno povoado, Outu-Guaçu (que em tupi-guarani significa cachoeira ou salto grande).Os Fernandes ficaram conhecidos na genealogia das famílias paulistas com o título de “povoadores dos sertões”. Em 1610 construiu uma capela e a consagrou, por honra e glória, à Nossa senhora das Candeias.Os poucos habitantes dedicavam-se à agricultura e à pecuária de subsistência.No ano de 1653 foi elevada à Freguesia de Santana do Parnaíba. E em 1657, à Vila da Capitania de São Paulo, crescendo de importância e atraindo pessoas de expressão.Com o surgimento das monções – expedições fluviais regulares que faziam a comunicação entre São Paulo e Cuiabá, o povoado se expandiu e tornou-se importante posto de abastecimento.

SETOR 3PUJANÇA ECONÔMICA NA FIDELÍSSIMA BERÇO DA REPUBLICA !
A vida no povoado ia se transformando, e quem deu vida à localidade foram os artesãos sapateiros, ferreiros, carpinteiros, tecelões, costureiras e fiandeiras, os quais ocupavam 119 casas. Os comerciantes interessados na venda de tecido, colchas e cobertores para outras regiões, promoveram o cultivo de algodão, e a produção caseira de tecidos. As décadas se passavam. A fertilidade da terra impulsionou o desenvolvimento da cana de açúcar.Nascia a burguesia agrária, influenciando hábitos e costumes. A partir de 1776, o número de fazendas e engenhos de açúcar multiplicavam-se.O produto era exportado para a Europa implicando diretamente na demanda de mão de obra, que nesse período utilizava o tráfico negreiro para suprir a falta.Em pouco tempo o número de africanos em terras ituanas era quase a metade da população. Não demorou para que surgissem quilombos e histórias sobre a escravidão. Estava formada a gênese do povo ituano.Filho do índio, do branco e do negro!Os anos seguiram................................................................No fim do século a Vila achava-se à vanguarda da produção açucareira,  fabricando mais de 1/3 de todo o açúcar fabricado em São Paulo.
Enquanto isso, o desgaste da política colonialista no país já era notório. Em São Paulo a insatisfação ocasionou desordem na Província, a tal ponto, de ser necessário a vinda do Imperador Dom Pedro para acalmar os ânimos. O grito de independência seria inevitável.

Com a lucratividade dos negócios, os produtores do interior paulista, vão ganhando espaço nas decisões econômicas do Império, e Itu, era contrário aos acontecimentos ocorridos em São Paulo, gerando um posicionamento político favorável ao Imperador. 
Em 7 de setembro de 1822, é proclamada a Independência do Brasil; e por sua lealdade, Itu foi agraciada com o título de a “Fidelíssima”.

O título aumentou ainda mais o prestígio da Vila, que em 1842, torna-se cidade; e com o decorrer dos anos a região mais rica de São Paulo, consolidando definitivamente todo o seu crescimento.

A crise internacional do açúcar, ocorrida em 1860, afetou diretamente o Brasil e consecutivamente os produtores rurais.

A economia açucareira entrou em decadência.

Agora o cafezal cobria o nosso chão!
Gradativamente, a cana era substituída pelo plantio do café.

Os próximos anos seriam de opulência!

A expansão cafeeira motivou a implantação da Companhia Ituana de Estrada de Ferro

revolucionando o desenvolvimento da produção.

Surgia uma elite com novas idéias, de mentalidade vanguardista, interessada na reestruturação do país. Eram eles os cafeicultores de Itu e do interior paulista, que juntos compunham o grupo econômico mais poderoso do Brasil. Fundam o núcleo republicano e organizam na cidade a Primeira Convenção Republicana do país; tratava-se do posicionamento de Itu, perante a implantação de um novo sistema de governo.
É criado o PRP, Partido Republicano Paulista.

E em 1889, é Proclamada a Republica.

A liberdade abriu as asas sobre o nosso país!

E Itu notabilizou-se “Berço da Republica Brasileira”.

Anos mais tarde, o ituano Prudente de Moraes é aclamado o Presidente da Republica, o primeiro Presidente Civil da história do Brasil.  SETOR 4: EBULIÇÃO CULTURAL E RITUAIS DE FÉ, EM UMA ROMA BRASILEIRA

Paralelamente aos fatos históricos, que coroaram de glória a cidade de Itu, o fausto orientado pelos ciclos econômicos, principalmente da cana de açúcar, proporcionou uma pujança cultural inigualável, favorecendo o desenvolvimento urbano. 
Para satisfazer os gostos e hábitos de uma elite em ascensão, foi construído o primeiro teatro do Estado de São Paulo o “Theatro São Domingos” palco de diversas apresentações de peças teatrais, balé, operas e operetas.

E por falar no assunto, em Itu foi escrito a primeira ópera brasileira, intitulada de “A Noite de São João”, de Elias Álvares Lobo em 1859, e encenada um ano depois, tendo inclusive a música regida por Carlos Gomes. 
Um período de ostentação, luxo e riqueza proporcionando construções, reformas de casas, casarões, Igrejas,..................impulsionando inclusive as artes, decoração de altares e capelas, pinturas sacras e imagens religiosas.

A materialização da fé !

Itu cresceu à sombra da Igreja.

Sua cultura reflete esta influência nos hábitos e costumes de sua gente.

O espirito caipira, expresso no folclore e nas tradições: a cantarola dos violeiros, a boa prosa do povo, o sabor das iguarias de lá, procissões, festejos.

Celebrações de fé.

Na redenção dos pecados !

A comunhão do pão,.........fiéis à “Santa Sé” ! 
Igrejas, colégios, conventos, ordens religiosas e irmandades, eram o centro da vida intelectual.

Padres, franciscanos, carmelitas......, a crença definiu o perfil espiritual, “onde a paróquia é a célula máter da sociedade ituana”.

Roma Brasileira!

Título que a cidade ganhou pela devoção de sua gente e pela representatividade do patrimônio arquitetônico das construções eclesiásticas. 
As marcas dessa religiosidade estão por toda a parte.

As obras, daquele que é considerado o maior representante do barroco paulista do país: o padre Jesuíno do Monte Carmelo, ornamenta e decora várias igrejas.

A Igreja Matriz é  exemplo real, maior monumento do barroco paulista e uma das mais antigas paróquias do Brasil. Em conjunto, as cinco igrejas centrais formam um patrimônio que não existe em todo o Estado.

A religião sacramentando o destino do lugar!  SETOR 5: DA INDUSTRIALIZAÇÃO À SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL,ITU MUNICIPIO VERDE !
 
Ainda fazendo história e movimentando a economia do país, no final do século 19, as altas cotações internacionais estimulavam a expansão da cafeicultura, permitindo que os fazendeiros fossem buscar na Europa, imigrantes para substituir a mão-de-obra escrava. O tráfico havia sido proibido em 1850 e a escravatura abolida em 1888.

O ouro verde gerava divisas, o que permitiu a importação de máquinas e equipamentos destinados ao nascente processo de industrialização nacional. A riqueza gerada por todo esse tempo irá favorecer outro momento da economia da região, o ciclo industrial. 
O cultivo do algodão também tinha destaque na economia ituana e fomentou a construção, da primeira fábrica de tecidos da Provincia de São Paulo, a Fábrica de Tecidos São Luiz; possibilitando a presença de uma série de inovações tecnológicas para a transformação em fibras e fios. No rastro vieram a Tecelagem São Pedro e a Fabril Redenção, tornando-se importante centro têxtil do país.

Grande foi a migração rural em busca de trabalhos nas fábricas, o homem do campo alcança o perímetro urbano.

O aspecto rural da cidade aos poucos deixa de existir.
 
Em 1950, indústrias de cerâmicas se instalam na cidade que e a partir de então começa a receber empresas de diversos setores.
 
Após 1970, com a construção da rodovia Castelo Branco, indústrias de fundição e cervejaria instalam-se em Itu, principalmente às margens de suas estradas de acesso; confirmando a vocação industrial desse chão.
 
Novos tempos se abrem para Itu.

A cidade onde tudo é grande , fama imortalizada graças ao saudoso Simplício, tem um potencial turístico incrível.
 
Conhecer os cantos, encantos e recantos é um convite a mergulhar em quatrocentos anos de história.  Um encontro com nossa brasilidade e com os fatos que marcaram a evolução de nosso país.
 
Uma cidade que não pára !

E que está permanentemente buscando novos desafios. 
 
De natureza preservada, é “Município Verde” de responsabilidade sócio-ambiental  pensando nas futuras gerações.
 
Em permanente desenvolvimento, equilibra-se na sustentabilidade de suas ações e valoriza-se por cultivar a semente do trabalho, a gênese de toda sua evolução.

Marco Aurélio Ruffinn
Carnavalesco

 

Ano: 2017
Título do samba enredo: “Paz. O Império da nova era”
Compositores do samba enredo: Turko, Aquiles da Vila, Maradona, Chanel, Wagner, Paulinho, JC Castilho, Tinga e Silas Augusto
Letra:

Ecoou...
Acorde em duetos musicais
Vem do arauto a mensagem de paz
É nova era...em plena evolução
Um anjo que me guia, vou buscando a energia
Na luz vai a noite vem o dia
Seduz os corações
Com proteção dos nossos guardiões
Mãe natureza sua riqueza, precisamos preservar
Pros nossos filhos no futuro desfrutar

Contagia o fogo da paixão
Em lindas águas vou me banhar
Terra onde brota plantação
A pureza desse ar harmoniza meu lugar

Abra o coração
Faça o seu lindo gesto de amor
Justiça e igualdade
Plantando a semente da fraternidade...
Assim há de brilhar um novo mundo
Feito uma prece de criança
E de alma lavada cantar, numa só voz
Império...seus filhos de mãos dadas na Avenida
Meu maior tesouro é a vida
E o desejo do meu Carnaval

Sou Casa Verde paixão e amor
Juntos num só ideal
Vamos erguer essa bandeira
Clamando pela paz universal

 
Ano: 2016
Título do samba enredo: O Império dos Mistérios
Compositores do samba enredo: Carlos Júnior, Fabinho LS e Fabiano Sorriso
Letra:

Vem meu samba desvendar
Meu corpo arrepiar sou caçador de emoções
Trago no peito um sentimento sem mistério
Bate forte coração minha paixão, te amo... Império

Delirante... Além da imaginação
O mundo é mesmo inexplicável? Que fascinação!
Terra sagrada "abençoada" ensina decifrar o seu valor
Ouro de rara beleza.... El Dorado encantador
A fé na minha vida é esperança,
Força pro meu caminhar
Sigo a lança do destino... Cada um com sua crença
Crendo na cura da alma e no poder divino

Diga onde andará... nosso jardim
Paraíso a encontrar... riqueza sem fim
No Egito a perfeição e sutileza
O mar de ilusões... Atlântida
Mistérios dessas civilizações

Sinais em pedra... O dom de curar
Caminho traçado a outro lugar
Povo iluminado o tempo dirá
E o amanhã o que será?
Quando a saudade me abraça eu olho pro céu
Vejo a luz que me acalma na imensidão
Sinto a vida em outra dimensão
Chegou... Do espaço sideral uma nação guerreira
A grande estrela desse carnaval

 
Ano: 2015
Título do samba enredo: "Sonhadores do Mundo inteiro: uni-vos"
Compositores do samba enredo: Chefia, Wagner Mariano e Nogueira
Letra:

Vem sonhar

O sonho de um sonhador

Meu "Tigre" faz você acreditar

Que é possível ser criança

E a felicidade encontrar

Gira o carrossel da imaginação

Nada se explica, tudo se transforma

A realidade se funde a fantasia

Meu reino encantado toma forma

Dançar num baile tropical

Onde o faz de conta se encontra

Corações a mil

Dos sonhadores do universo infantil

 

Marley, celebra a paz

Zumbi, a liberdade

Mandela, igualdade e respeito

De verdade

 

Genios da inspiração, artistas imortais

Um "salvador daqui" me diz:

"Os sonhos não morrem jamais"

A arte de Sampa e suas esquinas, reluz a criação

"Alguma coisa acontece no meu coração"

É Carnaval!

Disperta a emoção

No paraíso da loucura

De Pamplona a João

Brilha uma estrela

"O meu sonho de ser campeão"

 

A Casa Verde é alegria...amor

Se o Império me chamar...eu vou

O dono dessa folia, sou eu

Embala eu...Embala eu

 
Ano: 2014
Título do samba enredo: Sustentabilidade, construindo um mundo novo
Compositores do samba enredo: Leo Reis, Turko, Mody, Fabiano Henrique, Biel, Paulinho B.P. e Marquinhos
Letra:


O meu cantar vai ecoar
Ouça o grito de alerta
Em poesia a caçula manifesta
Sustentabilidade, a hora é essa!
A explosão na imensidão
Nos elementos o poder da criação
Gira o tempo, não pára
Marcas da revolução, o homem colhe a degradação
Quero lavar minha alma
Na fonte do rio deságua, água limpa pra viver
 
Vem cá! Plantar a semente do amor
E preservar a nossa terra
Abençoada pelo criador
 
Do jeito que a coisa vai
Ninguém aguenta mais
A natureza chora sufocada
Vamos dar um fim, adeus poluição
Quero ar puro para o meu pulmão
Vai brilhar o sol que aquece o coração
A energia da nossa emoção
É o fogo da paixão
O samba é meu manto maior
De azul e branco, eu vou
Construindo um mundo melhor

A Casa Verde estremece de tanta emoção
Lá vem o tigre guerreiro do meu coração
Eu sou Império, sou a voz de uma nação

 
Ano: 2013
Título do samba enredo: Pra todo mal há cura...e quem canta seus males espanta!
Compositores do samba enredo: Aldair, De Paula, Dney Sas, Romão, R. Silva e R. Ribeiro
Letra:


Brilhou o sol, iluminando um novo dia
A Casa Verde está em festa, num ritual de magia
Oh mãe natureza! Com suas riquezas
Emoldurada pelo Criador
Um lindo jardim se ergueu
A sabedoria enfim floresceu
Do Egito veio a medicina
A cura divina, vontade dos deuses
Dos elementos, energia milenar
No oriente o equilíbrio alcançar

Atoto Obaluaiê...Obaluaiê
Peço a sua proteção, eu peço axé
Curandeiro, sou a cura e a salvação
Canto meu destino em oração

Quero falar de amor
A saudade se foi, não vamos chorar
Uma terapia pra curar a dor
O nosso remédio é sambar
Aplausos à quem pela vida sempre lutou
E assim mostrou, que a ciência é o caminho a seguir
Quem canta seus males espanta
A minha voz ninguém vai calar
Imperiano eu sou
Não desisto de lutar

Império é amor, paixão
A cura do corpo e do coração
Meu tigre guerreiro, é raça e emoção
A força de uma nação

 
Ano: 2012
Título do samba enredo: Na ótica do meu Império o foco é você
 
Ano: 2011
Título do samba enredo: Samba sabor cerveja. Admirada a milênios, a mais nova sensação nacional
 
Ano: 2010
Título do samba enredo: 'Itu, fidelíssima terra de gigantes'
Compositores do samba enredo: Belo, Vinicius Cruz, Fabio Ls, Beah, Bruno Ribas, Thiago de Xangô, Marcelo C.N, Chiquinho Ls, João Osasco
Letra:

Seja bem-vindo vem conhecer
Meu tigre guerreiro na avenida
Conta pra você
A tempos um manto tão belo se transformou
Pedras de raro valor
Somente a ciência explica o que não viu
A era do gelo no sudeste do Brasil
Nas margens de um rio quanta beleza
E os carijós salve a natureza
Senhor olhai outu-guaçu a boca do sertão
Abençoai os filhos desse chão

Na cana-de-açúcar
Fidelíssima cresceu
Do café a prosperidade
O berço da liberdade

Palco de riqueza cultural
A arte em primeiro lugar
Se tornando a Roma do nosso país
Toda louvação à Santa Sé
Devoção, respeito e muita fé
Hoje é de fato grande centro industrial
Que sustenta um lindo verde ideal: a preservação
São novos tempos, um futuro promissor
400 anos de história que esplendor

Vem meu amor, comemorar
Com meu império que não para de crescer
Gigante guerreira, itu orgulho da nação brasileira
Tu és e a minha inspiração, cidade do meu coração

Notícias
 
Mais resultados para busca por: Império de Casa Verde
1
SOSAMBA.COM.BR | COPYRIGHT © 2010 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS